Back to All Events

Learning Journey Butão - Índia


(Inscrições encerradas)

QUAL O PROPÓSITO DESTA JORNADA DE APRENDIZAGEM?

O propósito de realizar essa jornada de aprendizagem surgiu da consciência de que estamos em um momento de profundas mudanças na sociedade, no qual nossa vida individual e coletiva dependerá cada vez mais da nossa capaci- dade de nos conhecermos, vivermos alinhados com o nosso dharma e nos desenvolvermos em todos os níveis para entregarmos mais para o mundo (bem comum). Em viagens como esta, que vão muito além do turismo, acessamos níveis profundos de sabedoria interna, aprendendo com culturas ancestrais, vivemos experiências em contextos diversos, com um alto nível de bem-estar e viajando em grupo para lugares como o Butão e a Índia, resgatamos nosso senso de comunidade.

Nesse contexto, esta jornada de aprendizagem sobre Felicidade Interna Bruta (FIB), Meditação & Fotografia, surge como uma oportunidade e espaço para que os participantes possam se conectar, inspirar, refletir, trocar e aprender com experiências únicas, com pessoas inspiradoras e em lugares que despertam de formas diferentes e profundas o nossa relação conosco mesmos, com a sociedade, natureza e o planeta.

O QUE É A JORNADA DE APRENDIZAGEM?

É uma viagem composta por atividades diversas, como: rodas de conversa com especialistas, exercícios e práticas de yoga e meditação, momentos de re exão, visitas a lugares sagrados e que muitas vezes sozinhos não temos acesso (como cavernas no Butão, monastérios, mestres e professores espirituais), entre outros.

Diferentemente de uma viagem de turismo ou de trabalho, a jornada de aprendizagem é desenhada segundo uma lógica que propicia uma experiência de aprendizagem para os participantes de uma forma uida e enriquecedora. É uma experiência facilitada pela Renata Rocha, que traz seu background conexão das várias experiências que acontecerão durante a viagem.

O público desta jornada são formadores de opinião, empresários, empreendedores sociais, buscadores, en m, qualquer pessoa curiosa que queira aprofundar no universo do propósito e do bem-estar e disposto aplicar isso no seu dia-a-dia e no mundo, seja na sua vida pessoal, em sua empresa ou na sociedade.

Como a Jornada está estruturada?

São 12 dias de programa, somados a uma reunião de preparação e um encontro de compartilhamento após a viagem.

Todos as atividades foram pensadas e desenhadas pa§ra que possamos ter

experiências para a nossa evolução e o nosso bem-estar físico, emocional, mental e espiritual.

PENSAR: Estudos e conversas inspiradoras com pessoas e especialistas locais; AGIR: Experiências diretas em que aprenderemos na prática os conceitos propostos nesta jornada;
SENTIR: Será uma viagem de profunda conexão com a Natureza – interior e exterior. Todos os dias teremos práticas de meditação e momentos de silêncio e reflexão;

PROGRAMA:

Saída de São Paulo - Sexta-feira à noite, dia 15 de Fevereiro
Chegada em Delhi – Domingo, 17 de Fevereiro (madrugada de sábado para domingo) Conexão de Delhi para Paro, Butão no dia 17 de fevereiro às 06:40am (chegaremos em Paro na manhã do dia 17 Fevereiro)

LEARNING JOURNEY BUTÃO - ÍNDIA 16 - 28 FEVEREIRO 2019
Informações e reservas:
lilian@lilatur.com. br | (11) 98245-1422

BUTÃO E O FIB – ÍNDICE DE FELICIDADE INTERNA BRUTA

A aura de mistério e espiritualidade que paira sobre o Butão só não é maior do que a possibilidade de revelar um país inesperado. Desde que adotou o conceito de Felicidade Interna Bruta, um indicador que pudesse medir a satisfação da população, este reino encantado nos Himalayas despertou os olhares do mundo. Entretanto, apesar de ter se aberto para o turismo nos anos 1970, ainda restringe e seleciona bastante os visitantes. Por outro lado, esta limitação se traduz na preservação mais legítima da cultura butanesa e na garantia de viver um país autêntico, seja na capital, Thimphu, ou nos vilarejos rurais.

Para alguns é o último Shangri-la, um paraíso resguardado entre fortalezas e monastérios budistas encravados em cenários dramáticos, que inspira uma série de festividades folclóricas com profundo sentido de identidade.
Sua fauna e ora se espalham por densas orestas tropicais, mas também sobem e descem em nas trilhas diante das mais altas montanhas do mundo. O conjunto da obra faz com que a tal felicidade possa, de fato, ser uma realidade no Butão.

Felicidade Interna Bruta (FIB) é um indicador sistêmico desenvolvido no Butão. O conceito nasceu em 1972, elaborado pelo rei butanês Jigme Singya Wangchuck. Desde então, o reino de Butão, com o apoio do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), começou a colocar esse conceito em prática, e atraiu a atenção do resto do mundo com sua nova fórmula para medir o progresso de uma comuni- dade ou nação. Assim, o cálculo da “riqueza” deve considerar outrosaspectos além do desenvolvimento econômico, como a conservação do meio ambiente e a qualidade da vida das pessoas.

O FIB é baseado na premissa de que o objetivo principal de uma sociedade não deveria ser somente o crescimento econômico, mas a integração do desenvolvimento material com o psicológico, o cultural e o espiritual – sempre em harmonia com a Terra.

AS NOVE DIMENSÕES DO FIB SÃO:

1) BEM-ESTAR PSICOLÓGICO: Avalia o grau de satisfação e de otimismo que cada indivíduo tem em relação a sua própria vida. Os indicadores incluem a prevalência de taxas de emoções tanto positivas quanto negativas, e analisam a auto-estima, sensação de competência, estresse, e atividades espirituais.

2) SAÚDE: Mede a e câcia das políticas de saúde, com critérios como auto-avaliação da saúde, invalidez, padrões de comportamento arriscados, exercício, sono, nutrição, etc.

3) USO DO TEMPO: O uso do tempo é um dos mais signi cativos fatores na qualidade de vida, especialmente o tempo para lazer e socialização com família e amigos. A gestão equilibrada do tempo é avaliada, incluindo tempo no trânsito, no trabalho, nas atividades educacionais, etc.

4) VITALIDADE COMUNITÁRIA: Foca nos relacionamentos e interações nas comunidades. Examina o nível de con ança, a sensação de pertencimento, a vitalidade dos relacionamentos afetivos, a segurança em casa e na comunidade, a prática de doação e de voluntariado.

5) EDUCAÇÃO: Leva em conta vários fatores como participação em educação formal e informal, competências, envolvimento na educação dos lhos, valores em educação, educação ambiental, etc.

6) CULTURA: Avalia as tradições locais, festivais, valores nucleares, participação em eventos culturais, oportunidades de desenvolver capacidades artísticas, e discriminação por causa de religião, raça ou gênero.

7) MEIO AMBIENTE: Mede a percepção das cidadãos quanto a qualidade da água, do ar, do solo, e da biodiversidade. Os indicadores incluem acesso a áreas verdes, sistema de coleta de lixo, etc.

8) GOVERNANÇA: Avalia como a população enxerga o governo, a mídia, o judiciário, o sistema eleitoral, e a segurança pública, em termos de responsabilidade, honestidade e transparência. Também mede a cidadania e o envolvimento dos cidadãos com as decisões e processos políticos.

9) PADRÃO DE VIDA: Avalia a renda individual e familiar, a segurança nanceira, o nível de dívidas, a qualidade das habitações, etc.


ÍNDIA

O aroma dos incensos, as cores das roupas, os mantras nos templos, as massagens ayurvédicas, os sabores das especiarias – A Índia é uma terra de experiências intensas, de pessoas divertidas, dias especiais, rituais surreais e paisagens exóticas e cheias de histórias, sabedoria e energia.

Autêntico, ancestral e superespiritualizado, o berço de Buddha e Gandhi seduz pelo inevitável choque cultural que proporciona – e que ca muito mais agradável quando é “sentido” do que quando é “entendido”.

Conhecer a Índia é enxergar além do exótico, compreender a espiritualidade traduzida em alegria e docilidade, e levar para casa conceitos aprendidos neste país que nunca é obvio. A Mãe Índia nos proporciona um olhar único e especial sobre a vida, no colorido cotidiano do povo indiano e seus inesquecíveis olhares e sorrisos.

KUMBH MELA

O Khumba Mela ou Kumbh Mela (de khumb, “pote” e mela, “festival”) é o principal festival do hinduísmo, que ocorre quatro vezes a cada doze anos na Índia, rodando por quatro cidades.
Cada ciclo de doze anos inclui o Maha Kumbha Mela (maha = maior) em Allahabad, onde milhões de devotos hindus se reúnem para se banhar no Sangam, local de encontro dos rios sagrados Ganges, Yamuna e Saraswati para se puri car, naquele que é o maior fes- tival religioso do mundo.

Kumbha Mela se baseia numa lenda na qual deuses e demônios entraram em guerra por causa de um pote que continha o néctar da imortalidade. Algumas gotas do néctar caíram em quatro cidades na Índia: Allahabad, Ujjain, Nasik e Haridwar, onde o Khum- ba Mela acontece sucessivamente a cada quatro anos por rotação e é assistido por milhões de pessoas, independentemente de casta, credo ou gênero., desempenhando um papel espiritual central no país, exercendo uma in uência mesmérica sobre os indianos. O evento engloba a ciência da astronomia, astrologia, espiritualidade, tradições ritualísticas e costumes e práticas sociais e cuturais, tornando-a extremamente rica em conhecimento. Como é realizado em quatro cidades diferentes na Índia, envolve diferentes atividades sociais e culturais, tornando este um festival culturalmente diversi cado.

Conhecimento e habilidades relacionadas à tradição são transmitidos através de manuscritos religiosos antigos, tradições orais, históricos de viagens e textos produzidos por historiadores eminentes.
No entanto, a relação professor-aluno dos sadhus nos ashrams e akhadas continua a ser o método mais importante de transmitir e salvaguardar conhecimentos e habilidades relacionados a Kumbh Mela, tornando-o extremamente rico em conhecimento.

FACILITADORES

Renata Rocha

Renata dedica-se ao desenvolvimento humano e expansão da Consciência, e facilita processos de autoconhecimento individuais e em grupo e estudos e práticas de meditação desde 2004.

Viajou durante 15 meses (2009 e parte de 2010) em um sabático espiritual pela Ásia, entre outras vezes, estudando com grandes mestres do Oriente (principalmente na Índia, Tailândia, Indonésia e Nepal), onde retorna anualmente para reciclar seus estudos.

Palestrante e mediadora de conversas e encontros entre empreendedores sociais, pensadores e líderes humanitários e espirituais. Organiza e facilita experiências e Learning Journeys pelo Brasil e mundo para estudar assuntos como Mindfulness, Felicidade e Bem-estar, estreitando a distância entre culturas e saberes, entre a mente e o coração.

Eduardo Colesi

Fotógrafo publicitário e diretor de fotogra a há 16 anos, Eduardo Colesi encontra na fotogra a de viagens sua grande inspiração. Tendo percorrido 40 países ao longo de sua carreira, foi na Ásia que sua paixão por culturas remotas resultou em um emocionante trabalho autoral: DE ASIA A Z. Entre 2016 e 2017, Eduardo viajou por 14 meses pelo continente asiático e 2 meses pelo sudoeste africano.

Eduardo vê nas viagens a oportunidade de observar pessoas – a verdadeira riqueza de qualquer terra ou nação, seja ela longínqua ou logo ali.
“O povo é sempre a melhor parte de qualquer viagem e no convívio e observação das pessoas que está o maior aprendizado. Quero muito dividir minha experiência neste projeto que acredito muito.”

A fotogra a de viagens é uma forma de meditação, onde o momento presente é tudo o que existe. Naquele instante, respirar e observar o aqui e agora; interagir com

as pessoas locais e assim experimentar sua realidade, absorvendo o ambiente, a natureza do entorno, a pura emoção do momento capturado.
Quando estamos com o olhar atento para fotografar acabamos tendo uma vivencia muito mais genuína, percebendo momentos e detalhes que sem a fotogra a passariam despercebidos.

LEARNING JOURNEY BUTÃO - ÍNDIA 16 - 28 FEVEREIRO 2019
Informações e reservas:
lilian@lilatur.com. br | (11) 98245-1422

Later Event: March 1
Learning Journey Califórnia
Português
English